Os bons restaurantes revelam o segredo daquele mar; uma mesa recheada de pratos ou petiscos à base de lula, camarões, ostras e mariscos abrem qualquer apetite. Mesmo quem nunca provou pratos exóticos pensa: “Eu não posso deixar esta oportunidade passar…vou morrer sem provar que sabor o mar tem? Já que eu vim até aqui não vou recuar”!

Não tem como sair dali sem a sensação de nunca ter comido nada igual, “lambendo os dedos” e de como era bom e suculento o prato principal. Preparados pelas mãos não de “chefs” famosos, mas pela de legítimos manezinhos e manezinhas que passam de mãe para filha, de vô para neto, os segredos de temperar os pratos como quem tempera a vida com paciência, ousadia, bom humor e uma dose de algo picante; assim são os restaurantes do Pântano do Sul em Floripa, abertos de segunda a sexta na temporada e nos feriados, sábados e domingos durante o inverno; servem pratos típicos da culinária local, sempre preparados com peixes e frutos do mar muito frescos, recém trazidos pelos barcos de pescadores da colônia local.

Pedacinho do Céu é um dos restaurantes na beira da praia que servem desde tira gosto à base de peixe ou camarão até lula recheada. Servindo pratos com gosto de comida preparada em casa, o restaurante é de uma antiga família do Pântano.

Sua simpática proprietária, dona Zenaide, comanda os filhos servindo as mesas ou na cozinha e desfila por entre as mesas certificando-se de que todos estão bem servidos. Conta histórias, dá informações sobre as praias, fala da história e das tradições açorianas que conseguem se manter mesmo com a modernidade tão presente; coloca a par da programação festiva do local e a quem solicitar.

As festas locais são sempre muito familiares e reúnem moradores e turistas; muito coloridas e alegres, dão charme ao vilarejo.

Passar um dia no “Panto sul” – apelido carinhoso típico da fala rápida do manezinho legítimo – é dar um banho na alma, um bronzeado no corpo e sentir vontade de recomeçar (mesmo que nada tenha acabado). Passe o dia todo lá, espere o entardecer e, quando partir,  guarde a saudade, sinta por antecipação a vontade de voltar para sentir todos os temperos e sensações daquele lugar mágico da Ilha da Magia.

Dica: se desejar desfrutar do mar vá em dia de sol e mar calmo, não se importe em entrar na água. Quer conhecer ou apenas desfrutar de um bom paladar estando a chover ou o vento sul a soprar,  leve um bom abrigo para pôr sobre o biquíni, pode ter certeza que o frio descobriu que você foi pra lá e no fim da tarde vai te encontrar, mesmo que seja verão.

Por Márcia Machinski





CONTINUE NAVEGANDO: